1001 Razões para Gostar de Portugal

Blogue (à volta) do Livro

30 de setembro de 2008

GOSTA-SE MENOS DE PORTUGAL ASSIM, GOSTA-SE MAIS DE PORTUGAL ASSIM

Gosta-se menos por causa da autarca, gosta-se mais pela INTENÇÃO de António Costa. Mas de boas intenções....

"Autarca recusa demitir-se mas deixa por esclarecer várias questões. António Costa quer divulgar lista de inquilinos da autarquia e respectivas rendas

A vereadora do PS responsável Acção Social da Câmara de Lisboa, que até ao final do ano passado pagava 146 euros de renda à autarquia por uma casa de duas assoalhadas no centro da cidade, na Rua do Salitre, tem uma reforma de cerca de 3350 euros.
Ana Sara Brito deu ontem uma conferência de imprensa para explicar uma situação que durou 20 anos e que "nunca pôs em causa" os seus "valores éticos". É por isso que não se demite: "Continuarei, apesar de alguns não o desejarem, com a mesma determinação, a trabalhar de acordo com o programa eleitoral."
Sem esclarecer todos os aspectos da questão, a autarca explicou que quando tentou alugar a casa, em 1987 - era então vereadora da Acção Social pela primeira vez -, percebeu que o seu proprietário, um privado, tinha problemas com o município que o impediam de o fazer. "Apresentei a situação a Abecasis", o então presidente da câmara, que, actuando como se o imóvel pertencesse ao município, lho arrendou. Como? Porquê? Sara Brito invocou motivos "pessoais" para não responder, não tendo também esclarecido que tipo de problema deu à autarquia o direito de se tornar senhoria de um imóvel que pertencia a um particular.
Questionada sobre se tinha necessidade da casa há 20 anos, era então enfermeira de profissão além de vereadora, respondeu que sim. E 20 anos depois, quando auferia uma pensão que, segundo a declaração de rendimentos que entregou em 2006 no Tribunal Constitucional, se eleva aos 46.883 euros anuais, ainda tinha necessidade de uma renda camarária de 146 euros? "Não era uma casa de habitação social", repetiu várias vezes. O imóvel integrava-se no património disperso do município, até hoje gerido com critérios discricionários. A renda, inicialmente inferior aos 146 euros, foi sendo aumentada de acordo com a lei até chegar a este montante, "A casa foi-me atribuída legalmente. O contrato de arrendamento era legal", disse Sara Brito.
Para evitar que estes e outros casos do género se repitam, a Câmara de Lisboa promete ser mais rigorosa daqui em diante na entrega de casas. Também presente na conferência de imprensa, o presidente da autarquia, António Costa, fez questão de referir que todos os escândalos sobre a matéria vindos até agora a público se referem a habitações atribuídas em mandatos anteriores ao seu. E que desde que começou a governar o município os critérios de entrega de casa sempre foram objectivos: quando os habitantes se encontram em prédios municipais a ameaçar ruína, quando têm problemas de saúde graves comprovados e várias outras condições.
Recordando que as autoridades estão na câmara a investigar vários destes processos, António Costa anunciou que pediu à Comissão Nacional de Protecção de Dados para divulgar a lista do património disperso do município, renda e nome do inquilino."

in Público, hoje

1 Comments:

At domingo, agosto 30, 2009, Anonymous Anónimo said...

Seu josé carlos numca fui a Portugal,mas mesmo assim amo esse país.Gosto de tudo:a cultura,o ar que o país me passa.É interessante isso,não é?Você não conhece determinada pessoa ou lugar,porém o tem no coração.
Mas ,eu não li seu blogue,pois, estou conhecendo-o hoje.Gostaria muito de saber como Portugal recebe os estrangeiros,especialmente os do Brasil?Ouvi comentários negativos a esse respeito e desejo bastante ter sua opinião sincera.
DEsde já,grata.

 

Enviar um comentário

<< Home

O LIVRO DO BLOGUE
  • Publicado em Fevereiro de 2005 por TEXTO EDITORES
  • Powered by Blogger


    View My Stats